quarta-feira, março 12, 2008


Caminhando rumo ao inferno

Jolivaldo Freitas

O Papa, em nome de Deus, agora decidiu inventar mais uma série de pecados, como se já não bastassem aqueles capitais antigos. Fico sempre com a sensação, cada vez que a Igreja Católica vem com alguma novidade, que eles lá de Roma me conhecem; fazem escuta na minha linha telefônica, com apoio da Polícia Federal e nem precisa autorização judicial, pois Deus é considerado Supremo, enquanto dona Silvia Zariff é do TJ estadual e Marco Aurélio de Mello é do Superior Eleitoral, o que não chega aos pés do Senhor.
Para enfrentar Deus e o Papa somente Belzebu, Hugo Chavez, Fidel Castro e Lula, o que vêm a ser a mesma coisa, um grupo, que se colocarmos George Bush no meio, formamos os cinco cavaleiros do Apocalipse e quem quiser que denomine cada um com seu perfil (peste, morte...), lembrando que assim como os três mosqueteiros eram quatro, os cinco cavaleiros do apocalipse são quatro também, e não me pergunte o porquê, pois já ando com imenso contencioso com igrejas e seitas de todos os matizes e padrões.
Agora, segundo a madre (está mais para madrasta) Santa Igreja, a situação está complicada e não se pode mais nem beber, nem fumar, nem fuzarca. Não dá mesmo para desejar a mulher do próximo, mesmo que ele esteja a quarteirões de distância. Ficou assim:

Beber - Não pode.

Comer hóstia - Pode

Fazer ousadia sem camisinha - Pode.

Com camisinha - Não pode.

Dar bolsa família - Pode.

Planejar a família - Não pode.

Ser assaltado - Pode.

Dar uns murros no bandido - Não pode.

Mijar no muro - Pode.

Educar - Não pode

MST - Pode.

Dar porrada nos invasores - Não pode.
Outras notícias nos jornais me deixaram abobalhado por demais. A cúpula da Polícia garante que, apesar das lindas pernas, dos maravilhosos olhos e da brejeirice da delegada Patrícia Nuno, da Delegacia do bairro, a Barra está entre as zonas de maior volume de tráfico de drogas de Salvador. É assim porque eles querem. Qualquer um - menos o pessoal da Secretaria de Segurança Pública e da Polícia Militar e também da Polícia Federal - sabe que bastaria colocar?????????t??º???????? alguém da desinteligência ou P2 defronte ao Farol, nas imediações do Forte de Santa Maria, na praia ou na área do Forte de São Diogo, para ver a venda a granel de cocaína. De vez em quando, andando no calçadão, talvez porque eu tenha cara de drogado, só pode ser, alguém me oferece uns papelotes. Como tenho rinite alérgica não posso passar perto de pó. E já tomo tanto remédio estranho para as minhas várias dores, que tenho medo de acrescentar algo mais ao cardápio. E, se a polícia quiser pegar a venda no atacado, basta ficar nos extremos da Avenida Centenário que vai ouvir o foguetório anunciando que a droga chegou.
Acho que a afirmação da Polícia desmoraliza a delegada da 14ª DP da Barra, que garante ser o local um paraíso. E a desautoriza. A moça não merece isso. Merece apoio. E estrutura.
Uma boa notícia é que a primeira-dama da Bahia, pessoa que os alternativos e descolados adoram, deu um show de verbo numa entrevista coletiva que chegou a ser aplaudida pelos jornalistas. Isso significa que nem tudo está perdido, se é que você me entende, ou seja, alguém do PT que merece aplauso, já que a maioria tinha mesmo é de levar uma surra de cipó-caboclo.
..................................
Publicado originalmente na Tribuna da Bahia (11.3.08)

______________________________________________________________________

2 Comments:

At 6:19 PM, Anonymous Marcus Cavalcante said...

Pensei, após o título, que você ia falar de Teresina. Ou, digamos, indo para lá.

 
At 6:32 PM, Blogger De Tudo Um Pouco said...

Essa do "pode e não pode", pode se aplicar a tantos outros casos...

 

Postar um comentário

<< Home